Visita guiada ao Cemitério do Bonfim, que mais parece um museu

Olá amigos, eis aqui uma visita guiada que eu queria muito fazer e agora conto para vocês. Trata-se de um passeio repleto de história, arte e cultura, que entrou para o circuito turístico da capital. O local mais parece um museu à céu aberto, mas é o Cemitério do Bonfim! Isso mesmo! Ele foi construído no bairro Bonfim no século XIX para receber os primeiros moradores finados da capital mineira. Com a morte da filha de um dos construtores da cidade, a necrópole acabou por ser inaugurada antes mesmo de Belo Horizonte, em fevereiro de 1897.
CemiterioBonfim (18)
Cemitério do Bonfim

CemiterioBonfim (17)CemiterioBonfim (24)

A visita guiada é gratuita e mensal, coordenada pela Fundação Municipal de Parques em parceria com a Universidade do Estado de Minas Gerais, Escola de Design. No dia em que fui, contou com a presença de alguns historiadores, entre eles a Marcelina Almeida, pesquisadora envolvida e idealizadora do projeto.“O cemitério do Bonfim faz parte do planejamento da cidade. Por 50 anos após sua inauguração ele foi a única necrópole de BH e, por isso, reúne um número expressivo de figuras importantes das famílias tradicionais que viviam aqui”, conta Marcelina, que também é professora. Em princípio, o público esperado era de estudiosos, mas o sucesso foi tão grande que, hoje, é preciso garantir a vaga com antecedência.
CemiterioBonfim (22)
A visita guiada oferece 40 vagas no último domingo do mês
CemiterioBonfim (8)
Nosso grupo da visita, eu estou atrás das lentes
Raul Soares, Olegário Maciel, Padre Eustáquio e Irmã Benigna são alguns nomes que podem ser encontrados nas lápides. O corpo da Irmã Benigna não está mais lá, mas as pessoas continuam deixando bilhetes com pedidos e placas com agradecimentos pela graça concedida. Pessoas menos famosas também enriquecem a diversidade do cemitério. Lá estão sepultados o escoteiro Caio Martins, os militares mortos em combate na revolução de 1930 e um hermafrodita anônimo que suicidou ao ser pressionado por um médico a optar por um de seus sexos, conforme está escrito sobre seu túmulo, que é muito simples e até precário – e eu esqueci de fotografar.
CemiterioBonfim (26)
Túmulo de Olegário Maciel com obras de artista italiano
CemiterioBonfim (29)
Jazigo dos mortos em combate na Revolução de 1930
CemiterioBonfim (12)
Túmulo da Irmã Benigna. Até hoje pessoas fazem pedidos e deixam placas de agradecimento
PATRIMÔNIO
Por receber pessoas de todas as classes sociais, religiões e nacionalidades, os jazigos foram trabalhados de forma a destacar as crenças e condições sociais de cada família. As mais tradicionais investiam em grandes túmulos de mármore rebuscados com esculturas de artistas de renome como Lucy Serpa de Andrade, Ettore Ximenes, L. Galante, Bottaro, Carlos Simi Stor, Formenti e Jeanne Louise Milde. Um dos jazigos está estimado em R$ 400 mil reais.
CemiterioBonfim (20)
Alguns jazigos chegam a custar R$ 400 mil

CemiterioBonfim (23)CemiterioBonfim (21)CemiterioBonfim (28)

Com tanta história e arte, o cemitério será, em breve, tombado como patrimônio da humanidade. “Quando entramos no cemitério, já percebemos seu valor cultural e artístico. A impressão que temos é de que estamos em um museu. O cemitério já está em processo avançado de tombamento”, afirma Karine Paiva Silva, presidente da Fundação de Parques Municipais. O edifício do necrotério já foi tombado pelo IEFHA/MG em 1977.
CemiterioBonfim (10)
Edifício do Necrotério
A LOIRA DO BONFIM
O cemitério oitocentista está repleto de curiosidades. Ele é cenário, inclusive, de uma das famosas lendas urbanas de Belo Horizonte: a Loira do Bonfim. Cada um conta uma estória sobre ela, resumindo todas as versões, trata-se de uma loira que pegava caronas para sua casa, e o destino era o cemitério. Mais ou menos assim.
CemiterioBonfim (1)
Eu, na casa da Loira do Bonfim
Com tantos atrativos, a necrópole está atraindo, cada vez mais, um número maior de visitantes. “É uma oportunidade de conhecer um pouco mais da história da cidade, das pessoas que foram enterradas aqui, dos artistas que trabalharam nas obras e nos túmulos e do significado que tinha a celebração da morte no século XIX”, diz a visitante Mayara Tavares. Vale muito à pena a visita! Amei!
SERVIÇO
O que: Visita guiada
Vagas: 40
Horário: Das 9h às 12h
Inscrições: (31) 3277-5398 ou agendaparques@pbh.gov.br
Próximas visitas em 2015: 30/8, 27/9, 25/10 e 29/11
Endereço: Rua Caparaó, 273. Bairro Bonfim.
Dica: Leve sua garrafa de água e use filtro solar.
Veja mais fotos:

CemiterioBonfim (14)CemiterioBonfim (7)CemiterioBonfim (6)

CemiterioBonfim (2)
Esses anjinhos são muito visados por ladrões que saqueiam os túmulos

CemiterioBonfim (3)