Festival Eletronika vai ocupar Circuito Cultural Praça da Liberdade em outubro

Evento com foco em arte, música e tecnologia aposta no intercâmbio entre artistas latino-americanos e discussões de novas tendências

A cena cultural de Belo Horizonte terá programação intensa, entre os dias 7 e 13 de outubro, com a chegada do Eletronika. O tradicional Festival, que já acontece há 16 anos, ganhou novos contornos e agora integra uma plataforma cultural que abrange música, arte, tecnologia e urbanismo. A programação, realizada via Lei de Incentivo à Cultura pela Malab Produções, com patrocínio da Oi, é gratuita e vai ocupar alguns dos espaços do Circuito Cultural Praça da Liberdade, tendo como foco a experimentação da cultura contemporânea em suas diferentes formas.

Reallejo - foto 1 (Amanda Alexandre)
Reallejo. Foto: Amanda Alexandre / Divulgação

Com curadoria de Lucas Bambozzi, Natacha Rena, Chico Dub e Marcos Boffa, o Eletronika irá se desdobrar em diferentes espaços do Circuito – Memorial Minas Gerais Vale, MM Gerdau – Museu das Minas e do Metal, Espaço do Conhecimento UFMG e Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa – com os eventos Festival Eletronika, Cidade Eletronika, Fórum Eletronika e o Festa das Luzes, que integrará a programação 2015, apresentando à BH importantes nomes da cena cultural brasileira e latino-americana.

Cada um dos eventos que compõe o Eletronika aborda uma temática diferenciada, tendo como elo as novas abordagens que passam pela tecnologia. No evento “Cidade Eletronika” a ocupação dos espaços públicos, a tecnopolítica e noções de cidadania, são temas de seminário internacional, oficinas e performances, com destaque para nomes como o do pesquisador Antonio Lafuente e o ativista espanhol Javier Toret; já no “Fórum Eletronika” os os painéis e obras interativas e imersivas apontam novos caminhos entre a arte e tecnologia, em tom descontraído e permeado por reflexões sobre o universo eletrônico-digital; o “Festival Eletronika” mantém sua pegada tradicional, com foco na música experimental e intercâmbio artístico, indo da cena Paraíba à Colombiana; e ainda a “Festas das Luzes” que será uma atração para toda a cidade através de projeções audiovisuais – videomapping – em locais não usuais, com direção artística de Henrique Roscoe.

Omulu - foto 2 (Fernando Schlaepfer)
Fernando Schlaepfer (Foto: Divulgação)

O intercâmbio de experiências e ideias é a base do evento, que busca trazer à tona a discussão de novas tendências, criando um espaço de reflexão e crítica sobre a cultura e suas interconexões com a tecnologia. “Buscamos uma rede de artistas inovadores para atrair os interessados pela cultura contemporânea, pela ocupação dos espaços urbanos e pela arte, promovendo a circulação de produção artística essencialmente inovadora, proporcionando intensa experimentação estética e sensorial” explica o produtor Aluizer Malab.

Revista Eletronika

Um dos projetos ligados à programação é a Revista Eletronika, referência em cultura jovem e contemporânea. A publicação digital acompanha o novo formato do evento e aborda temas como urbanismo, arte, tecnologia e as novas tendências da música experimental, por meio de depoimentos de artistas, produtores e importantes nomes da cena cultural ibero-americana. Entre os colunistas estão nomes como Cláudia Assef, Chico Dub, Ivan LP e Yasmin Muller.

Programação

O evento, que já passou por diversos locais da cidade, geralmente utilizando espaços indoor, agora se volta para a ocupação da cidade em um espaço público, a Praça da Liberdade, e contará também com programação outdoor. Outra novidade da edição é o Eletronika Kids, que terá atrações infantis no dia 12 de outubro.

Clique aqui para ver a programação completa.

Sobre o Eletronika

Com 16 anos de história, o Eletronika se consolidou como uma das mais importantes iniciativas do gênero no país e faz parte da agenda de um público qualificado: artistas de diferentes segmentos e linguagens, produtores, gestores culturais, pesquisadores, estudantes, jornalistas, designers e publicitários.

Ao longo de sua história, o Eletronika ocupou os principais espaços culturais da cidade, primando pela revitalização de espaços ou pela ocupação inovadora de espaços tradicionais da cidade como o Museu de Artes da Pampulha, Casa do Conde, Palácio das Artes, Parque Municipal, Teatro Francisco Nunes, Chevrolet Hall, Espaço CentoeQuatro, Serraria Souza Pinto, Cine México, entre outros.

Passaram pelo Eletronika tanto artistas renomados quanto em começo de uma carreira de sucesso, como: B.Negão, LCD Soundsystem, The Twelves, N.A.S.A., Mallu Magalhães, DJ Mau Mau, Tom Zé e banda Tortoise, Marcelo D2, Max de Castro, DJ Marlboro, DJ Marky, Birdy Nam Nam, Anoraak, Minitel Rose e Rubin, Iconili, Rogermoore, Ladytron, Asian Dub Foundation, Monolake, entre muitos  outros.

Além dos eventos realizados em Belo Horizonte, o Eletronika já se apresentou em Salvador, Belém e Rio de Janeiro, além das parcerias com grandes festivais do gênero como Sónar na Espanha, Club Transmediale na Alemanha e Mutek no Canadá.

(Via assessoria de comunicação)